Hospital Nosso Lar

Entrevista Especial – 50 anos Hospital Nosso Lar

Janeiro 19, 2017
Entrevista Especial – 50 anos Hospital Nosso Lar

O Hospital Nosso Lar está comemorando em 2016, 50 anos de atendimento psiquiátrico no Mato Grosso do Sul e por isso, lança um novo canal de entrevista que tem o intuito de aproximar população, pacientes e funcionários do Hospital. Em entrevista, os funcionários mais antigos contam a relação pessoal e profissional com a entidade.

Neide Aparecida Ribeiro Guerra
Há 30 anos trabalha no Hospital Nosso Lar e começou como Atendente de Enfermagem e hoje é uma das responsáveis pelo Departamento Pessoal

Como foi o seu ingresso na entidade?
Neide: Conheci a fundadora do Hospital, Dona Edwiges, por meio de minha irmã, que também era funcionária da entidade. Fui convidada a fazer parte da equipe como atendente em enfermagem o que foi um grande desafio em minha vida pessoal e profissional.

Como é a experiência de trabalhar em uma entidade filantrópica voltada para o atendimento psiquiátrico?
Neide: No início, quando trabalhava na enfermagem, eu tinha mais contato com os pacientes e pude ver uma realidade absolutamente diferente à minha e isso nos faz repensar nossos valores. O fluxo de pacientes no Hospital era muito grande, maior inclusive que agora, e pude ver como o problema psiquiátrico é presente na sociedade.

Nesses anos de colaboração na entidade, você pode descrever as mudanças dentro da entidade?
Neide: Quando comecei a trabalhar no Hospital era fluxo de paciente o dia todo. Tinha recurso para utilizarmos toda a capacidade de internação. Hoje vemos uma estrutura gigantesca que pode ser explorada e que parte está inoperante pela falta de recursos. Tivemos mudança na legislação e também na diretoria e toda a equipe, mas sempre priorizamos o atendimento humanizado e o bem estar dentro da entidade.

Como é a relação entre pacientes e funcionários do Hospital?
Neide: Durante o tempo em que estive na enfermagem pude ter contato com muitos pacientes que permaneciam em estado de internação ou que acabavam voltando com frequência para tratamento e com isso acabamos nos envolvendo emocionalmente em cada caso e ainda vibrando com cada quadro de melhora que é apresentado.

Qual a importância da participação da sociedade e dos familiares para o Hospital?
Neide: Todos nós precisamos experimentar o gostinho prazeroso que é a prática da solidariedade. Fazer bem ao próximo nos dá a sensação de dever cumprido. A felicidade no rosto de quem está recebendo atenção é muito gratificante. E isso vale principalmente aos familiares que acabam internando o filho ou irmão aqui, na entidade, e acabam não vindo visitar. Mal sabem os familiares o quanto é esperado o dia da visita aos pacientes e como esse dia muda todo o humor e comportamento durante a semana toda para eles.

Qual é a tua consideração por esses 30 anos de dedicação ao Hospital Nosso Lar?
Neide: Quando você trabalha em um lugar e se envolve emocionalmente pela causa e ainda tem um bom relacionamento com todos os outros funcionários, mesmo porque estamos juntos pelo mesmo motivo, isso é muito gratificante. Estive presente em diversas situações e problemas enfrentados pelo hospital, como por exemplo mudança de legislação, crises financeiras e implantação de novos serviços. Neste momento atual é um grande marco para todos os que se dedicam à entidade pois estamos oferecendo diversos outros tipos de atendimento. Conseguimos efetivar projetos que estavam há tempos sendo estudados e isso é motivo para comemorarmos esses 50 anos de Hospital Nosso Lar, anos esses de muito trabalho, dedicação e superação, principalmente.

 

Assessoria de Imprensa